Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
 
Artigos de opinión
UE/Euro: Prisão de povos
17/07/2015Jorge Cadima
Os acontecimentos dos últimos dias são portadores de importantíssimos ensinamentos sobre a verdadeira natureza da dominação de classe, do imper...
A operação em curso – nome de código: Grécia
10/07/2015Vaz de Carvalho
Contrariamente às ilusões europeístas o sistema é incapaz de resolver os problemas provocados pela financeirização da economia a favor do rent...
Aprofundamento da União Económica e Monetária Europeia – ensaio sobre a cegueira
10/07/2015Miguel Viegas
Em traços gerais, este relatório dos cinco presidentes aponta para o reforço dos pilares neoliberal e federalista da UE. Podando o discurso dos h...
Grécia – a força do povo
10/07/2015Ângelo Alves
O povo grego emitiu uma opinião muito «simples» e clara. Quer mandar no seu próprio devir colectivo. Entende que o seu país é o seu povo e nã...
Uma guerra de classe
10/07/2015Filipe Diniz
A UE conduz uma guerra. Descrever essa guerra como uma guerra que opõe países ricos e países pobres não ajuda a entender a sua natureza. É uma ...
O caldeirão grego
03/07/2015Luís Carapinha
Ucrânia, o fascismo galopante
25/06/2015Raúl Antonio Capote
O contra-senso comum
25/06/2015Boaventura de Sousa Santos
A CIG convoca manifestacións o 19-X contra a "involución democrática" e propón unha nova folga xeral
12/7/2012

Xesús Seixo, secretario xeral da CIG,ven de anunciar unha nova vaga mobilizatoria contra a "Involución democrática e social" que supoñen os novos recortes anunciados onte poro goberno do PP, que darán lugar o 19 de xullo a manifestacións en todas as cidades galegas, e terán continuidade na proposta de folga xeral que a CIG realiza ás restantes forzas sindicais e que "debería ter lugar en Setembro". Pola súa parte, o secretario de comunicación da CIG, Francisco Miranda Vigo, denunciou a parcialidade dos recortes, que en nengún momento cuestionan "os 27.000 millóns de euros que vai recibir o exército para mercar armamento" ou os "10.000 millóns á Igrexa", combinado coa complicidade fronte á fraude fiscal, confirmada en medidas como a amnistía aos defraudadores.

cig.prensa@galizacig.com