Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
Artigos de opinión
Venezuela: Estados Unidos acelera o golpe
27/02/2015Ángel Guerra Cabrera
O golpismo intensificouse sobre todo a partir da elección do presidente Maduro en abril de 2013. Washington e as oligarquías decidiron botar toda ...
A goleada sofrida pelo Syriza nas negociações da UE
27/02/2015Richard Seymour
As classes dominantes da UE também “ganharam tempo”, e elas dispõem dos recursos e estão ao ataque, enquanto o Syriza recuou. Não há motivo...
Grécia: os próximos quatro meses
27/02/2015Michael Roberts
Quanto à privatização, o que não é habitualmente percebido é que se supunha que as receitas da privatização fossem utilizadas para reembolsa...
Golpes na Argentina, Venezuela e Brasil?
27/02/2015Altamiro Borges
Os três países têm vários traços em comum. Em todos eles, a direita partidária sofreu duras derrotas eleitorais nos últimos anos. Forças con...
Syriza, uma via para o poder do povo?
26/02/2015Éric Toussaint
A experiência demonstra que os movimentos de esquerda podem chegar ao governo mas não chegam a conquistar o poder. A democracia ou seja o exercíc...
Ucrânia, um ano depois do golpe
26/02/2015Luís Carapinha
Cuba/EUA: que mudanças?
24/02/2015Rémy Herrera
Opinión
O apoio à experiência levada a cabo na Grécia não pode e não deve ser incondicional: seria o pior dos serviços que se lhes pode prestar. Esse apoio deve se basear em uma análise mais detalhada possível da evolução da situação, com sugestões e críticas  O Banco Central Europeu (BCE) acaba de tomar uma decisão de uma brutalidade inaudita: a partir de 11 de fevereiro, não aceita...
13/2/2015 Luís Carapinha // Avante
É urgente parar a guerra. Mas não haverá paz efectiva sem extirpar as causas profundas do conflito e afastar as forças golpistas, títeres, que dilaceram a Ucrânia  Quando, a 27 de Janeiro de 1945, as tropas soviéticas libertaram Auschwitz enfrentaram um quadro dantesco. Homens curtidos pelos horrores da guerra mais letal e atroz da história – soldados e oficiais da 1.ª Frente Ucra...
O desafío grego, por máis moderado que traten de presentalo os seus promotores, oriéntase cara a unha revisión en profundidade das políticas europeas, e afecta a intereses moi poderosos: ao sector financeiro, ás políticas deseñadas polas elites europeas, aos sectores que fan negocio coas privatizacións  I Xaneiro trouxo dous cambios importantes na política comunitaria, aínda que ...
10/2/2015 Vidal Aragonés
Co TISA, os servizos públicos históricos pasarán paulatinamente a ser xestionados por empresas privadas e cunha tendencia a que sexan multinacionais. Iso non só xerará unha deterioración dos servizos senón paulatinamente unha degradación das condicións laborais dos traballadores e traballadoras  Os servizos públicos teñen unha xustificación desde un punto de vista humanístico: s...
20150210_syriza.grecia.prensa
Neste momento os interesses do capitalismo global são os únicos que contam nas decisões dos órgãos decisórios europeus  A recente vitória do Partido Syriza na Grécia teve o sabor de uma segunda libertação da Europa. A primeira ocorreu há setenta anos, quando os aliados libertaram a Europa do jugo alemão nazi e puseram fim ao horror do holocausto. Um dos países que mais sofreu po...
20150210_moeda.petroleo
O controle político -direto ou indireto- da moeda, do crédito e do preço do petróleo, está sendo utilizado pelos EUA para impor sua vontade nos vários tabuleiros geopolíticos do mundo, onde há países que resistem ao seu poder imperial   Através da história, os impérios clássicos e todos os grandes estados nacionais lutaram para conquistar e monopolizar “posições estrat...
cig.prensa@galizacig.com