Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
Artigos de opinión
Grécia: Por que se deve realizar uma auditoria da dívida?
25/03/2015Éric Toussaint
A auditoria demonstrará que uma parte muito grande da dívida grega contraída tanto no período precedente à intervenção da Troika como no post...
Por trás das sanções da Casa Branca contra a Venezuela
25/03/2015Mark Weisbrot
Os governos latino-americanos compreenderam esta estratégia de impor novas sanções à Venezuela vista como uma grave ameaça à democracia na reg...
Dez claves para entender a “lex mercatoria”
25/03/2015Juan Hernández Zubizarreta e Pedro Ramiro
A oposición frontal das grandes potencias e dos lobbies transnacionais á creación de normas que poidan poñer en risco as súas perspectivas de n...
A pobreza em Portugal
25/03/2015Maria do Carmo Tavares
A pobreza em Portugal sempre assumiu grande extensão e intensidade, a ela estão associadas profundas desigualdades sociais, acumulação de riquez...
O capitalismo no país das maravilhas
23/03/2015António Santos
Há actualmente 15 milhões de crianças com fome nos EUA. Destas, 1,5 milhões não tem casa. Com efeito, na lista de países que melhor protegem a...
Brasil na encruzilhada
23/03/2015Luís Carapinha
Pensar as crises
11/03/2015Antoine Casanova e Remy Herrera
Grecia: Saír do euro ou suicidio político
09/03/2015Héctor Illueca Ballester
Opinión
O único e grande triunfo dos EUA e da Arábia Saudita nessa história até o momento foi transformar a OPEP em espectro do que foi entre 1960 e 1990, e não apenas porque sua cota de mercado caiu de 62% para os 30% de hoje, mas porque a Arábia, o Kuwait e os Emirados Árabes Unidos fizeram uma frente contra pesos pesados da organização, tais como Irã, Iraque, Argélia, Venezuela e Equador &n...
O apoio à experiência levada a cabo na Grécia não pode e não deve ser incondicional: seria o pior dos serviços que se lhes pode prestar. Esse apoio deve se basear em uma análise mais detalhada possível da evolução da situação, com sugestões e críticas  O Banco Central Europeu (BCE) acaba de tomar uma decisão de uma brutalidade inaudita: a partir de 11 de fevereiro, não aceita...
13/2/2015 Luís Carapinha // Avante
É urgente parar a guerra. Mas não haverá paz efectiva sem extirpar as causas profundas do conflito e afastar as forças golpistas, títeres, que dilaceram a Ucrânia  Quando, a 27 de Janeiro de 1945, as tropas soviéticas libertaram Auschwitz enfrentaram um quadro dantesco. Homens curtidos pelos horrores da guerra mais letal e atroz da história – soldados e oficiais da 1.ª Frente Ucra...
O desafío grego, por máis moderado que traten de presentalo os seus promotores, oriéntase cara a unha revisión en profundidade das políticas europeas, e afecta a intereses moi poderosos: ao sector financeiro, ás políticas deseñadas polas elites europeas, aos sectores que fan negocio coas privatizacións  I Xaneiro trouxo dous cambios importantes na política comunitaria, aínda que ...
10/2/2015 Vidal Aragonés
Co TISA, os servizos públicos históricos pasarán paulatinamente a ser xestionados por empresas privadas e cunha tendencia a que sexan multinacionais. Iso non só xerará unha deterioración dos servizos senón paulatinamente unha degradación das condicións laborais dos traballadores e traballadoras  Os servizos públicos teñen unha xustificación desde un punto de vista humanístico: s...
20150210_syriza.grecia.prensa
Neste momento os interesses do capitalismo global são os únicos que contam nas decisões dos órgãos decisórios europeus  A recente vitória do Partido Syriza na Grécia teve o sabor de uma segunda libertação da Europa. A primeira ocorreu há setenta anos, quando os aliados libertaram a Europa do jugo alemão nazi e puseram fim ao horror do holocausto. Um dos países que mais sofreu po...
cig.prensa@galizacig.com