Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
Artigos de opinión
Venezuela: Estados Unidos acelera o golpe
27/02/2015Ángel Guerra Cabrera
O golpismo intensificouse sobre todo a partir da elección do presidente Maduro en abril de 2013. Washington e as oligarquías decidiron botar toda ...
A goleada sofrida pelo Syriza nas negociações da UE
27/02/2015Richard Seymour
As classes dominantes da UE também “ganharam tempo”, e elas dispõem dos recursos e estão ao ataque, enquanto o Syriza recuou. Não há motivo...
Grécia: os próximos quatro meses
27/02/2015Michael Roberts
Quanto à privatização, o que não é habitualmente percebido é que se supunha que as receitas da privatização fossem utilizadas para reembolsa...
Golpes na Argentina, Venezuela e Brasil?
27/02/2015Altamiro Borges
Os três países têm vários traços em comum. Em todos eles, a direita partidária sofreu duras derrotas eleitorais nos últimos anos. Forças con...
Syriza, uma via para o poder do povo?
26/02/2015Éric Toussaint
A experiência demonstra que os movimentos de esquerda podem chegar ao governo mas não chegam a conquistar o poder. A democracia ou seja o exercíc...
Ucrânia, um ano depois do golpe
26/02/2015Luís Carapinha
Cuba/EUA: que mudanças?
24/02/2015Rémy Herrera
economía
16/2/2015 Alejandro Nadal
Hoxe a clase traballadora en Europa enfróntase a un escenario desfavorábel: os bancos alemáns, franceses, holandeses e ingleses teñen grandes necesidades de recapitalización e iso necesitará de apoio público, é dicir, dunha masiva transferencia de recursos das clases medias e traballadoras do continente cara ao sector financeiro  En 1941 a Wehrmacht nazi aniquilou nunhas cantas seman...
20150210_moeda.petroleo
O controle político -direto ou indireto- da moeda, do crédito e do preço do petróleo, está sendo utilizado pelos EUA para impor sua vontade nos vários tabuleiros geopolíticos do mundo, onde há países que resistem ao seu poder imperial   Através da história, os impérios clássicos e todos os grandes estados nacionais lutaram para conquistar e monopolizar “posições estrat...
A única posibilidade que temos para manter os nosos dereitos é a oposición frontal e rotunda dos pobos de Europa para demostrar, como xa se fixo fronte a aquela falsa “Constitución Europea”, que todo engano ten un límite  A sétima rolda de negociacións do TTIP (o Acordo de Libre Comercio entre Estados Unidos e a Unión Europea) tivo lugar hai dous meses e a información que temos ...
A autonomía dos bancos centrais, imposta durante a década de 1990 polo capitalismo neoliberal, vinculou de xeito decisivo o apoio estatal á moeda ás esixencias da acumulación. Porén, a crise de 2008 marcou un punto de creba no curso da economía mundial.  Malia os programas de estímulos monetarios e fiscais, Estados Unidos, China, Xapón, Alemaña e Francia (as cinco maiores economí...
17/12/2014 Albert Recio Andreu
Nas economías capitalistas sempre que existe estancamento económico se traduce en paro masivo, expansión da pobreza e variedade de sufrimentos humanos. A persistencia do caso xaponés (e a teima alemá en copiar deles) indica que estamos ante unha situación que devén endémica  I  Xapón viuse moitas veces como un modelo de capitalismo particular. A finais dos 80 as cousas que má...
A razão porque a classe média (ou a pequena burguesia) nunca poderá adquirir hegemonia é porque lhe falta agenda económica coerente. Ela pode ter no melhor dos casos um desejo nostálgico de alguma forma passada de organização social, mas nenhuma agenda concreta para o futuro  Actualmente o mundo está a assistir a um fenómeno um tanto raro, nomeadamente uma tendência difusa de leva...
21/11/2014 Éric Toussaint // CADTM
A visão do Banco Mundial está marcada por diferentes preconceitos conservadores. Nos relatórios e discursos dos quinze primeiros anos de existência, o BM faz referência regularmente às regiões atrasadas e subdesenvolvidas, configurando todo um programa. Sobre as causas do subdesenvolvimento, o banco adota uma visão etnocêntrica  O Banco Mundial considera que os países em desenvolvi...
Engadir ao calendario
cig.prensa@galizacig.com