Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
Artigos de opinión
Grecia: Existe un "bo dracma"?
02/09/2015Michel Husson
A experiencia recente mostra que a redución de salarios en Grecia non se traduciu nunha redución de prezos senón nun aumento das marxes de benefi...
O euro e o desemprego em Portugal
01/09/2015Manuel Brotas
São menos os trabalhadores portugueses que produzem riqueza e maior a proporção dos trabalhadores, igualmente explorados, que asseguram a circula...
A era das guerras imperiais (Das guerras regionais, às "mudança de regime" e à guerra global)
31/08/2015James Petras
Milhões de refugiados de guerra escapam rumo à segurança na Europa Ocidental, juntando-se aos milhões de refugiados económicos que fugiram da p...
UE/Euro: Prisão de povos
17/07/2015Jorge Cadima
Os acontecimentos dos últimos dias são portadores de importantíssimos ensinamentos sobre a verdadeira natureza da dominação de classe, do imper...
A operação em curso – nome de código: Grécia
10/07/2015Vaz de Carvalho
Contrariamente às ilusões europeístas o sistema é incapaz de resolver os problemas provocados pela financeirização da economia a favor do rent...
Grécia – a força do povo
10/07/2015Ângelo Alves
Uma guerra de classe
10/07/2015Filipe Diniz
O caldeirão grego
03/07/2015Luís Carapinha
Unión Europea
8/10/2014 João Ferreira // Avante
A saída do euro é necessária para libertar o País da subalternidade, da dependência e do atraso. É necessária para libertar o povo português da «austeridade» permanente. Mas deve ter condições: a preparação do País; o respeito pela vontade popular, a condução do processo por um governo empenhado em defender os rendimentos, as poupanças, os níveis de vida e os direitos da general...
8/10/2014 Luís Carapinha // Avante
É improvável que ao decidir levar o golpe até ao fim e instalar no poder em Kiev uma Junta liberal-fascista, Washington e Bruxelas não estivessem cientes das trágicas consequências para a Ucrânia que tal desfecho acarretaria. Sacrificaram o futuro da Ucrânia aos seus interesses estratégicos e agenda agressiva Se alguém desejar conhecer em pormenor como se desfaz e empurra para o abismo...
Os tratados da UE e o euro são o culminar de um processo de relações de capitalismo dominado face a um centro dominante, em que são estabelecidos processos de troca desigual, devido aos desequilíbrios da estrutura produtiva, diferenças de produtividade e transferências de capitais, rendimentos e juros Quando Marx nota que "o comércio livre é a forma de uns países enriquecerem à custa d...
8/8/2014 Avante // Avante
EUA e UE continuam a usar a Ucrânia, onde a ofensiva da junta fascista prossegue com apoio crescente do imperialismo, para aprofundarem o cerco e provocação à Rússia. O mais recente episódio da escalada político-militar foi uma entrevista na qual o secretário-geral da NATO justificou a preparação de «novos planos de defesa» na Europa com o que considerou ser uma «agressão russa» à...
28/7/2014 Xabier P. Igrexas
20110929_UE.bandeira.esfarrapada.jpg
Este 25 de xullo enmárcase nun contexto definido pola combinación entre a crise sistémica do capitalismo e os brutais efectos das políticas de recortes impostas ao abeiro desta, o incipiente colapso do réxime político español instaurado tras a chamada Transición, e o cuestionamento do seu modelo territorial cun avanzo substancial das posicións soberanistas en Euskal Herria e, singularment...
17/6/2014 Éric Toussaint // CADTM
Repartir de outra maneira a riqueza produzida constitui a melhor resposta à crise. A parte destinada aos assalariados nas riquezas produzidas baixou nitidamente ao longo dos últimos decénios, ao mesmo tempo que os credores e as empresas aumentaram os seus lucros para os consagrarem à especulação. Aumentando os salários, não somente se permite às populações viverem condignamente, mas tam...
16/6/2014 James Petras // ODiario.info
20140616_europa.ultradereita.jpg
A direita está a avançar com rapidez, embora de forma desigual, em toda a Europa. O seu apoio não é efémero mas estável e cumulativo, pelo menos a médio prazo. As causas são estruturais e resultam da capacidade da “nova direita” de explorar a crise socioeconómica dos governos da direita neoliberal e de denunciar as políticas autoritárias e antinacionais da oligarquia não-eleita da ...
Engadir ao calendario
cig.prensa@galizacig.com