Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
Artigos de opinión
A desfeita das políticas de austeridade
28/10/2014Vicenç Navarro
O xeito de reducir o déficit e a débeda públicos dun país non é aplicando políticas de austeridade. Estas políticas reducen a demanda de ben...
O Brasil de Lula segue para diante
28/10/2014Emir Sader
A militancia de esquerda gañou as rúas de todo o país; a segunda volta foi dunha clara contraposición entre esquerda e dereita, o que configuro...
Entrevista a Tom Kucharz: “O TTIP é un ataque sen precedentes contra dereitos sociais e laborais»
28/10/2014
Hai unha intención de crear unha OTAN económica, que sería ese pacto económico-comercial UE e EEUU, que faría máis forte ambas as potencias, ...
Capitalismo e discriminação entre trabalhadores
23/10/2014Prabhat Patnaik
O capitalismo, portanto, actua para segmentar romper a classe trabalhadoras de dois modos bastante distintos: um pela promoção da competição en...
EUA: Guerra ao EI é cortina de fumaça para guerra contra Síria e Irã
22/10/2014Mahdi Darius Nazemroaya
A chamada “ameaça” do Estado Islâmico no Iraque e Levante, ou Estado Islâmico (EI) é cortina de fumaça. A força do EI foi deliberadamente...
Neoliberalismo século XXI?
21/10/2014Emir Sader
Orzamentos do Estado 2015
16/10/2014María do Carme García-Negro
A terceira guerra de Iraq
14/10/2014Ignacio Ramonet
Estados Unidos
20100209_protesta-obama-g20.jpg
Os Estados Unidos parecem não ter aprendido nada com os seus erros do passado em matéria de política externa. A principal jogada geopolítica de Obama até aqui foi converter a reunião do G-8 em uma reunião de um G-20. O grupo crucial que foi adicionado à reunião é o formado pelos chamados países do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China). O que os EUA oferecem ao Brasil é “associar-se...
20100208_pentagono.obama.jpg
Como o Pentágono conseguiu a isenção de todos os acordos climáticos? Durante as negociações para o Acordo de Kyoto, os EUA exigiram, como condição para a sua assinatura, que todas as suas operações militares no mundo, bem como as operações em que participa com a ONU e com a OTAN, ficassem totalmente isentas das medidas restritivas de redução da emissão de gases. Depois de obter ess...
20100204_china.jpg
Se perguntarmos em qualquer lugar do mundo "o que pensa dos Estados Unidos como país e como potência mundial?", receberemos repostas muito claras. Toda a gente tem opinião - Norte e Sul, ricos e pobres, homens e mulheres, politicamente à direita ou à esquerda, velhos e novos. As opiniões variam enormemente, desde as extremamente favoráveis às extremamente hostis. Mas as pessoas ...
20100203_haiti-soldados.eeuu.jpg
A reação dos Estados Unidos de militarizar a parte haitiana da ilha logo após o devastador terremoto de 12 de janeiro deve ser considerada dentro do contexto gerado a partir da crise financeira e da chegada de Barack Obama à presidência. As tendências de fundo já estavam presentes, mas a crise acelerou-as de um modo que lhes deu maior visibilidade. Trata-se da primeira intervenção de env...
20100129_obama.jpg
Aquilo que parecia impossível há um ano está a acontecer: a política externa de Obama é mais agressiva e perigosa para a Ásia, África e América Latina do que a de George Bush. Mas essa realidade não se tornou ainda evidente para as grandes maiorias, influenciadas pela campanha de âmbito mundial que apresenta o presidente dos EUA como um político progressista e um defensor da paz. Os ac...
28/1/2010 Pedro Campos // Avante
De Haiti nunca se fala. A quem interessa um país onde mais de 60% das crianças têm anemia, 23,8% da população sofre de subalimentação crónica e o coeficiente Gini – que mede a desigualdade – é o mais alto da América Latina: 0,66? Algo de muito grave tem de se passar para que apareça nos média. Um terremoto devastador é boa razão. Haiti torna-se visível, mas – como quase sempr...
22/1/2010 Serge Halimi
20100122_obama.eeuu.jpg
É verdade que o estereótipo de Obama é diferente dos seus antecessores, não apenas pela razão visível óbvia, mas também porque é incomum para a Casa Branca a incumbência para decidir como um homem jovem recusou a chance de ficar rico em Nova York e, ao invés disso, ajudou pessoas de bairros pobres de Chicago. Mas quando se olha para as escolhas de Obama para seu gabinete, a originalida...
Engadir ao calendario
cig.prensa@galizacig.com