Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
Artigos de opinión
Não verta lágrimas pelo capitalismo
28/09/2016Immanuel Wallerstein
Nos próximos anos, haverá melhoras que parecerão indicar que o sistema está funcionando de novo. Mesmo o nível geral de emprego, o indicador ch...
A incerteza entre o medo e a esperança
28/09/2016Boaventura de Sousa Santos
A luta terá mais êxito, e a revolta, mais adeptos, na medida em que mais e mais gente se for dando conta de que o destino sem esperança das maior...
Brexit: Um giro histórico-mundial
27/09/2016Alex Callinicos
O surgimento da campanha pelo Lexit, defendendo uma oposição de esquerda e internacionalista à União Europeia, foi um dos sucessos do referendo....
Cara a unha desdolarización da economía mundial?
27/09/2016Alfredo Serrano e Francisco Navarro
A transición xeoeconómica segue o seu curso. Nestes últimos anos, a desdolarización da economía mundial comezou a dar os seus primeiros pasos. ...
Análise da conjuntura política brasileira
23/09/2016João Pedro Stédile
O golpe não conseguiu legitimar-se. No jurídico se evidenciou a contradição na manutenção dos direitos da President. E nas ruas, perdeu a legi...
Bratislava : a cimeira da mesquinhez
23/09/2016Thierry Meyssan
O consenso de Bruxelas
23/09/2016Ângelo Alves
O Decálogo “neo-neoliberal”
20/09/2016Ava Gomez e Alejandro Fierro
Estados Unidos
20110201_exipto.protesta.anti-mubarack.jpg
Hillary Clinton declarou à imprensa que é preciso evitar a todo custo o vazio de poder no Egito, que o objetivo da Casa Branca era uma transição ordenada à democracia, à reforma social, à justiça econômica, e que Hosni Mubarak era o presidente do Egito e o que importava era o processo, a transição.  Ao contrário do que ocorreu em outra ocasião, o presidente Obama não exigiria a...
20110131_obama.xogo.jpg
O grande jogo proposto pelo governo Obama, para o mundo pós-Iraque e pós-Afeganistão, aponta na mesma direção da década de 1970, só que com o sinal trocado. Agora se trata de uma proposta de aliança estratégica com a Rússia, que bloquearia a expansão chinesa na Ásia, mas que também envolverá algum tipo de apoio ou “convite” ao desenvolvimento do capitalismo russo, bloqueado pelo ...
Están caendo as fichas do dominó. A crise financeira irlandesa reproduce o esquema da que xa tivo lugar en Grecia e abre o camiño ás que virán, en Portugal e noutros países. Para pagar as súas guerras en Afganistán e Iraq, Estados Unidos decidiu monetizar a súa débeda pública, ou sexa, pasarlle as súas propias facturas ao resto do mundo. Esa afluencia de liquidez permite ás elites cap...
20110119_resist.imperialism.jpg
O processo de decadência do Império americano é causa e consequência do desafio das potências económicas emergentes que estabelecem centros alternativos de crescimento e desenvolvimento. As mudanças no interior de países na periferia do império e o crescente endividamento e défices comerciais no 'centro' do império estão a corroer o império...  Os estados imperialistas constroem...
19/1/2011 Umberto Martins // Vermelho
Perceberemos melhor a natureza das relações entre China e EUA analisando-as à luz do conceito dialético de unidade e luta. Os mesmos fatores que promovem uma forte unidade de interesses entre os dois países também contêm os elementos que estimulam a luta e os conflitos. O comércio é um bom exemplo.  No intercâmbio de mercadorias convergem muitas vontades, em transações entre as p...
12/1/2011 Atilio A. Boron // Vermelho
20110112_tucson.atentado.eeuu.jpg
É saudável uma sociedade que produz massivamente viciados em drogas e entorpecentes? É saudável uma sociedade que vende todo o tipo de armas de fogo com a mesma facilidade que se vende doces? Como relacionar a tragédia de Tucson com o amadurecimento do processo de fascistização da sociedade norte-americana? O que ocorre quando uma sociedade faz uma propaganda política que diz “envie um g...
27/12/2010 Kamil Mahdi // ODiario.info
Os Estados Unidos continuam a pintar um panorama cor-de-rosa sobre o progresso no Iraque, mas a realidade é a de pobreza extrema, de violência, de tortura e de corrupção política num país que ainda sofre as sanções, a invasão e o saque imperial e contínuo dos seus recursos.  Continuam a recorrer à guerra e às sanções para manipular e controlar o Iraque. O recente livro de Joy G...
cig.prensa@galizacig.com