Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
Artigos de opinión
Venezuela: Estados Unidos acelera o golpe
27/02/2015Ángel Guerra Cabrera
O golpismo intensificouse sobre todo a partir da elección do presidente Maduro en abril de 2013. Washington e as oligarquías decidiron botar toda ...
A goleada sofrida pelo Syriza nas negociações da UE
27/02/2015Richard Seymour
As classes dominantes da UE também “ganharam tempo”, e elas dispõem dos recursos e estão ao ataque, enquanto o Syriza recuou. Não há motivo...
Grécia: os próximos quatro meses
27/02/2015Michael Roberts
Quanto à privatização, o que não é habitualmente percebido é que se supunha que as receitas da privatização fossem utilizadas para reembolsa...
Golpes na Argentina, Venezuela e Brasil?
27/02/2015Altamiro Borges
Os três países têm vários traços em comum. Em todos eles, a direita partidária sofreu duras derrotas eleitorais nos últimos anos. Forças con...
Syriza, uma via para o poder do povo?
26/02/2015Éric Toussaint
A experiência demonstra que os movimentos de esquerda podem chegar ao governo mas não chegam a conquistar o poder. A democracia ou seja o exercíc...
Ucrânia, um ano depois do golpe
26/02/2015Luís Carapinha
Cuba/EUA: que mudanças?
24/02/2015Rémy Herrera
América Latina
27/2/2015 Altamiro Borges
20150227_Maduro.Dilma.Cristina
Os três países têm vários traços em comum. Em todos eles, a direita partidária sofreu duras derrotas eleitorais nos últimos anos. Forças contrárias ao neoliberalismo, com suas nuances e ritmos diferenciados, chegaram ao governo – e não ao poder  Diante desta onda reacionária, os governantes dos três países (Argentina, Venezuela e Brasil) são chamados a enfrentar a “guerra d...
19/2/2015 Atilio A. Boron // Rebelión
20150219_venezuela.chavismo
Agora o imperio ten que lidar cun mundo multipolar, con aliados máis mornos e reticentes, tributarios cada vez máis desobedientes e inimigos cada vez máis poderosos. Nese contexto Venezuela, a primeira reserva de petróleo do planeta, adquire unha importancia esencial  Hai pouco máis dun ano a dereita fascista venezolana lanzaba unha nova ofensiva dirixida a provocar a “saída” do pr...
29/9/2014 Éric Toussaint // CADTM
Eric Toussaint A dívida já que se converte, novamente, em um poderoso instrumento de subordinação dos povos da América Latina. Que será um instrumento, nos anos vindouros, para impor novamente políticas neoliberais como se está fazendo na Europa, de onde venho e que atualmente é o epicentro da ofensiva do capital contra o trabalho, dos credores contra os devedores Em primeiro lugar ...
As organizacións que suceden os neoliberalismos fracasados son socialistas, en vías cara ao socialismo ou afíns con el. De Marx toman a loita de clases e a necesidade da Revolución; de Lenin, o antiimperialismo. Porén, ningunha sostén que o paso ao socialismo deba ser a culminación dun desenvolvemento capitalista extremo 1 A fins do século XX o futuro de América Latina e o Caribe parecí...
18/8/2014 Igor Fuser // Vermelho
Na América Latina, o imperialismo se encontra em plena ofensiva para destruir o campo político progressista que tem como expressões mais importantes a Venezuela, a Argentina e o Brasil O imperialismo se encontra em plena ofensiva para destruir o campo político progressista. Em 1992, no contexto do fim da Guerra Fria e da vitória militar dos Estados Unidos sobre o Iraque na 1ª Guerra do G...
20140306_Maduro.Morales.Castro.jpg
É hora de um balanço das trajetórias percorridas por esses governos, desde o triunfo de Hugo Chavez, em 1998, passando por todos os avanços e tropeços desde então, na perspectiva da formulação consciente de estratégias de hegemonia pós-neoliberal, tomando em conta as forças próprias e as dos adversários, assim como nossos objetivos estratégicos. O movimento de governos progressista...
21/11/2013 Harrison Samphir
Nos últimos 30 ou 40 anos, ambos os partidos que comandam a política institucional dos EUA inclinaram-se para a direita. Os democratas de hoje são, basicamente, aquilo que se costumava chamar, há tempos, de republicanos moderados. E os republicanos foram tanto para a direita que simplesmente não conseguem votos, na forma tradicional. - Gostaria de começar com a paralisação recente do gove...
Engadir ao calendario
cig.prensa@galizacig.com