Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
Artigos de opinión
Grecia e a recuperación da política na economía
03/07/2015Alfredo Serrano
A democracia participativa non ten cabida na economía dos expertos. Velaquí a cuestión: a economía deseñada por uns poucos a favor duns poucos ...
O caldeirão grego
03/07/2015Luís Carapinha
A solução dos problemas do povo grego só pode ser alcançada no caminho da afirmação da soberania e da ruptura com o diktat e os mecanismos de ...
Ucrânia, o fascismo galopante
25/06/2015Raúl Antonio Capote
Na Ucrânia se trava uma grande batalha contra o fascismo, o triunfo das forças obscuras deixaria aberta a via da opção fascista, nunca descartad...
A crise da UE e a “experiência” grega
25/06/2015Ângelo Alves
A realidade na Grécia, mas também em toda a UE, é de uma luta de classes muito aguda. Nessa luta, os fatores nacional e supranacional relacionam-...
O contra-senso comum
25/06/2015Boaventura de Sousa Santos
O modo como a crise financeira da Europa do Sul tem sido "resolvida", o vasto cemitério líquido em que se transformou o Mediterrâneo, o crescimen...
A nova xeopolítica do petróleo
01/06/2015Ignacio Ramonet
inmigración
Hoje são milhares de homens jovens, mulheres e crianças, que o mar tragou. Um mar cujas ondas vão e vêm entre África e Europa, testemunhas silenciosas do genocídio capitalista, lambendo as praias dos países saqueados e também aquelas praias que são as portas do cinismo mais absoluto  O recente naufrágio em que mais de 900 migrantes africanos perderam a vida no estreito da Sicília ...
No mundo moderno, afora as causas naturais, as migrações são provocadas pelos movimentos de expansão do capital. Quanto mais o capital desorganiza uma localidade pela desmobilização de sua produção original, quanto maior os efeitos sobre os trabalhadores e suas famílias. Quanto mais numerosa a migração para outra localidade em busca de oportunidades de trabalho  Recentes episódio...
19/2/2014 Inês Zuber // Avante
O que aconteceu em Lampedusa no passado mês de Outubro – a trágica morte de mais de três centenas de imigrantes que tentavam entrar no continente europeu num precário barco que se afundou, e que o fizeram desta forma porque a UE lhes nega qualquer outra – demonstra o carácter desumano da política de imigração da UE, apoiada também pela maioria do Parlamento Europeu.  No último ...
O de Lampedusa non só é unha vergoña para a humanidade, senón que é algo peor: é un crime, que forma parte dun auténtico xenocidio contra os pobres. Este feito non é ningún accidente desgraciado, senón un resultado previsíbel do funcionamento do capitalismo actual, como se confirmou días despois con outro naufraxio case no mesmo sitio.  O 3 de outubro naufragou preto de Lampedusa...
20131104_protesta.Lampedusa.jpg
O Ocidente se valeu há trinta anos de sua prosperidade e de suas liberdades, como uma arma de ataque ideológico contra os sistemas que combatia. Alguns de seus dirigentes utilizam agora a aflição dos migrantes para precipitar o desmantelamento de todos os sistemas de proteção social.  Há trinta anos, fugir do sistema político opressor de seu país valia aos candidatos ao exílio os l...
21/10/2013 Manuel Loff // resistir.info
As centenas de mortos de imigrantes clandestinos em Lampedusa juntam-se a outros 20 mil contados desde 1990. Gente que tenta chegar às costas europeias, fugindo da miséria, da perseguição, da guerra, ou simplesmente exercendo o seu direito de querer mudar de vida, exactamente como fizeram mais de cem milhões de europeus ao longo dos últimos 150 anos, milhões de portugueses incluídos. Misé...
18/10/2013 Ângelo Alves // Avante
A forma como a UE olha para os imigrantes é um dos exemplos mais gritantes e as notícias da semana passada da morte de centenas de seres humanos no Mediterrâneo ao largo de Lampedusa são a prova de uma autêntica guerra contra gente que foge da pobreza, da fome, ou da guerra (fomentada e levada a cabo pela própria UE), como é o caso dos refugiados e imigrantes oriundos da Líbia.  Trê...
Engadir ao calendario
cig.prensa@galizacig.com