Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
 
Artigos de opinión
Islamofobia, o novo racismo occidental
30/09/2016Enzo Traverso
A islamofobia non é un simple sucedáneo do vello antisemitismo, as súas raíces son antigas e posúe a súa propia tradición: o colonialismo. As...
O neoliberalismo atroz e subalterno de nossos dias
30/09/2016Luis Manuel Arce Isaac
Onde a direita governa reinstala um neoliberalismo selvagem e agressivo para tentar demonstrar que seu círculo zero não ficou desequilibrado pelos...
Crise: algumas perguntas e respostas
30/09/2016Jorge Figueiredo
Para um país sair individualmente de uma crise estrutural será preciso romper com o capital monopolista e financeiro. Isso implica o repúdio da s...
Venezuela: Guerra económica ou erros do Goberno?
29/09/2016Marta Harnecker
Hoxe que Venezuela está a sufrir os embates da crise mundial do capitalismo e da guerra económica despregada contra ela, concentrando as maiores a...
Não verta lágrimas pelo capitalismo
28/09/2016Immanuel Wallerstein
Nos próximos anos, haverá melhoras que parecerão indicar que o sistema está funcionando de novo. Mesmo o nível geral de emprego, o indicador ch...
A incerteza entre o medo e a esperança
28/09/2016Boaventura de Sousa Santos
Brexit: Um giro histórico-mundial
27/09/2016Alex Callinicos
Cara a unha desdolarización da economía mundial?
27/09/2016Alfredo Serrano e Francisco Navarro
Análise da conjuntura política brasileira
23/09/2016João Pedro Stédile
Bratislava : a cimeira da mesquinhez
23/09/2016Thierry Meyssan
nuclear
20121010_romney-obama.jpg
Agora que o espetáculo da eleição presidencial está chegando ao ápice, é útil perguntar como as campanhas políticas estão abordando os temas mais cruciais que enfrentamos. A resposta é singela: estão abordando mal ou não estão, simplesmente. Neste caso, surgem algumas perguntas importantes: por que e o que podemos fazer a respeito? Esses são dois temas de suma importância, porque o ...
20110504_non.nucleares-protesta.jpg
Fukushima marca, en materia de enerxía atómica, a fin dunha ilusión e o comezo de a era post-nuclear. Clasificado agora de nivel 7, ou sexa o máis alto na escala internacional dos incidentes nucleares (INES), o desastre xaponés xa é comparábel ao de Chernóbil (ocorrido en Ucraína en 1986) polos seus “efectos radioactivos considerábeis na saúde das persoas e no medio ambiente”. &nbs...
Como o 11 de setembro transformou os Estados Unidos, o 11 de março transformará o Japão. O cataclismo será um eletrochoque e a reconstrução se converterá no objetivo nacional do qual carecem hoje os japoneses? O fato de ter roçado o Apocalipse os levará a reconsiderar um modo de desenvolvimento, onde um único acidente pode transformar uma de suas megalópoles em um deserto envenenado? Es...
As consequências de um ataque mais amplo por parte dos EUA, da OTAN e de Israel contra o Irã são de grande alcance. A guerra e a crise econômica estão intimamente relacionadas. A economia de guerra é financiada por Wall Street que, por sua vez, se ergue como credor da administração dos EUA. Por sua vez, “a luta pelo petróleo” no Oriente Médio e Ásia Central serve diretamente aos in...
9/8/2010 Atilio A. Boron
20100809_hiroshima.jpg
Non é esaxerado afirmar que a historia do terrorismo de Estado comeza coa agresión nuclear estadounidense ao Xapón. Se de armas de destrución masiva se trata Estados Unidos destaca con moito e sen competidor á vista, e o seu bombardeo a dúas poboacións indefensas constitúe, sen dúbida, o máis grave e salvaxe atentado terrorista da historia da humanidade. O 6 de agosto fixéronse 6...
29/6/2010 Pedro Guerreiro // Avante
Não pode deixar de ser denunciado o sério e perigoso significado das recentes sanções contra o Irão aprovadas pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, que contou com os dignos votos contra do Brasil e da Turquia (e a abstenção do Líbano). Estas novas medidas do Conselho de Segurança das NU contra o Irão partiram de mais uma iniciativa dos EUA - apadrinhada pela França, Al...
Como pano de fundo das pressões dos EUA para impor sanções que impeçam o Irã de desenvolver seu programa nuclear está o veto imperial visando intimidar todos os países que dão passos concretos para romper a dependência tecnológica. Esta dependência funciona como um vergonhoso muro que bloqueia o desenvolvimento soberano de inúmeros países emergentes, mas com desdobramentos planetári...
cig.prensa@galizacig.com