Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
 
Artigos de opinión
Nos 70 anos da Vitória de 1945
13/05/2015Jorge Cadima
A História mostra que o fascismo torna-se uma ameaça séria quando as classes dominantes optam pelo exercício do seu poder através da violência...
O medo de sair da zona do euro não deveria mais paralisar a Grécia
13/05/2015Stathis Kouvélakis
O que está em jogo na Grécia é a possibilidade de uma mudança radical e uma virada política na direção da emancipação não só de um povo e...
Stathis Kouvelakis
13/05/2015
...
Odessa não esquece
08/05/2015Luís Carapinha
Cumpriu-se o primeiro aniversário dos sangrentos acontecimentos de 2 de Maio em Odessa que culminaram com o incêndio e a chacina na Casa dos Sindi...
Grécia, ditadura financeira e caos
08/05/2015Immanuel Wallerstein
A Grécia foi admitida na zona do euro em 2000, supostamente por ter alcançado as exigências formais para isso. Quando, depois de 2008, a dívida ...
Hai alternativas ao TTIP e aos tratados de “libre comercio”?
05/05/2015Juan Hernández Zubizarreta e Pedro Ramiro
Tragédia no Mediterrâneo
30/04/2015Albano Nunes
Samir Amin
6/9/2013 Samir Amin // Rebelión
20130906_China.2013_01.jpg
China non seguiu un camiño particular só desde 1980, senón desde 1950, aínda que este camiño pasou a través de fases que son diferentes en moitos aspectos. China desenvolveu un proxecto coherente e soberano que é apropiado para as súas propias necesidades. Ese proxecto certamente non é o capitalismo, cuxa lóxica esixe que as terras agrícolas se traten como unha mercadoría. Este proxect...
A Unión europea asocia un centro dominante a periferias dominadas, nun modelo certamente particular, análogo porén ao que permite aos Estados Unidos explotar América Latina. Europa do Leste e do Sueste é un pouco como a “América Latina” da Europa do Oeste. As diferenzas de desenvolvemento permiten ao capital dominante dos centros europeos sacar beneficios de monopolios da explotación da...
20111229_democracy.non.found.jpg
A democracia, reduzida como está nas fórmulas impostas pelos poderes dominantes, já não passa de farsa. A farsa eleitoral produz um parlamento “esgoto” impotente, com o governo como único responsável frente ao FMI e à OMC, quer dizer, frente aos instrumentos dos monopólios da tríade imperialista. A farsa democrática está agora completada pelo “discurso-dos-direitos-do-homemista”...
31/3/2011 João Ferreira // Avante
«O que se passa no Egipto é mais do que uma revolta mas (ainda) menos do que uma revolução». Assim nos descreve o egípcio Samir Amin o processo em curso no seu país, ali a poucos metros da praça Al-Tahir, onde durante vários dias centenas de milhares de pessoas marcaram presença ininterrupta, exigindo o fim do regime de Mubarak.  Mas é de «revolução» que todos falam nos dias q...
14/2/2011 Rosa Moussaoui
A historia de Exipto é a dun país que trata de emerxer desde comezo do século XIX, que foi derrotado polas súas propias insuficiencias, pero, sobre todo, polas agresións exteriores repetidamente sufridas... - Verbo dos acontecementos que se desenvolven estes días en Tunisia e en Exipto, trátase de simples "revoltas populares", ou significan a entrada deses países en procesos revolucionari...
15/10/2010 Eduard Luque
Non se pode alimentar a ilusión de que podemos restablecer o capitalismo aínda que sexa con rostro humano. Hai que actuar dentro da crise para saír do capitalismo. Saír do capitalismo non quere dicir utilizar a variña máxica da Revolución, con R maiúscula, que resolverá todos os problemas nun día. Significa urdir estratexias de longa duración.       &n...
14/10/2010 Eduard Luque
Europa foi concibida desde a súa orixe cun espírito hiperliberal e selada para evitar calquera corrección ulterior. Esta construción non se pode mellorar desde o interior; o discurso sobre a Europa social é retórica baleira (...) A construción europea é profundamente reaccionaria desde o principio, e non pode ser refundada, hai que destruíla para reconstruír outra cousa despois; se non s...
Engadir ao calendario
cig.prensa@galizacig.com