Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
 
Artigos de opinión
UE/Euro: Prisão de povos
17/07/2015Jorge Cadima
Os acontecimentos dos últimos dias são portadores de importantíssimos ensinamentos sobre a verdadeira natureza da dominação de classe, do imper...
A operação em curso – nome de código: Grécia
10/07/2015Vaz de Carvalho
Contrariamente às ilusões europeístas o sistema é incapaz de resolver os problemas provocados pela financeirização da economia a favor do rent...
Aprofundamento da União Económica e Monetária Europeia – ensaio sobre a cegueira
10/07/2015Miguel Viegas
Em traços gerais, este relatório dos cinco presidentes aponta para o reforço dos pilares neoliberal e federalista da UE. Podando o discurso dos h...
Grécia – a força do povo
10/07/2015Ângelo Alves
O povo grego emitiu uma opinião muito «simples» e clara. Quer mandar no seu próprio devir colectivo. Entende que o seu país é o seu povo e nã...
Uma guerra de classe
10/07/2015Filipe Diniz
A UE conduz uma guerra. Descrever essa guerra como uma guerra que opõe países ricos e países pobres não ajuda a entender a sua natureza. É uma ...
O caldeirão grego
03/07/2015Luís Carapinha
Ucrânia, o fascismo galopante
25/06/2015Raúl Antonio Capote
O contra-senso comum
25/06/2015Boaventura de Sousa Santos
represión sinidcal
1/9/2010 En folga indefinida desde o 16 de agosto en demanda do pagamento das cantidades que lles adebeda a empresa e en protesta polo despedimento do delegado da CIG
Na mañá deste mércores 1 de setembro, traballadores e delegados da CIG concentrábanse diante da nave que a empresa Transportes M. Cabo ten en Lestedo en demanda do pagamento das cantidades que se lles adebedan e en protesta polo despedimento do delegado de persoal da CIG. Os traballadores desta empresa de transportes levan en folga desde o 16 de agosto.
10/5/2010 Participaron traballadores e representantes das centrais sindicais que conforman o comité
Traballadores, membros do comité de empresa e representantes sindicais da CIG, CCOO e UGT participaron nunha nova acción de protesta na Fundación para o Fomento da Calidade Industrial e o Desenvolvemento Tecnolóxico de Galiza por mor dos despedimentos improcedentes e a represión sindical que padecen as/os traballadoras/es. Malia intentar manifestar as súas denuncias no principal centro de traballo, onde se atopa o despacho da xerente, Covadonga Toca, a porta de entrada atopábase, casualmente, pechada.
Engadir ao calendario
cig.prensa@galizacig.com