Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
 
Artigos de opinión
A natureza da crise sistêmica global: às vésperas do choque das placas tectônicas do capital
30/05/2016Edmilson Costa
Mesmo com toda a ofensiva do capital, o quadro de aparente calmaria pode mudar bruscamente se as massas se colocarem em movimento. Todas as revoltas...
Colonialismo, Neocolonialismo e Balcanização: As três idades de uma dominação
30/05/2016Said Bouamama
À mutação da base material do capitalismo corresponde uma mutação das formas da dominação política. O principal objectivo já não é instal...
A partida de xadrez xeopolítica EEUU-Rusia en América Latina
27/05/2016Germán Gorraiz Lopez
As medidas cosméticas tomadas pola Administración Obama no seu primeiro mandato, a respecto de Cuba, deixan intacto o bloqueo e non cambian substa...
O novo cenário brasileiro
27/05/2016Immanuel Wallerstein
O que um movimento que venha a suceder o PT poderá fazer é voltar às raízes, como movimento anti-imperialista consistentemente de esquerda. Não...
Estratégia do golpe global
27/05/2016Manlio Dinucci
No campo de visão da estratégia golpista de Washington encontram-se hoje o Brasil, para minar por dentro os Brics, e a Venezuela, para minar a Ali...
Venezuela
26/05/2016Pedro Guerreiro
Barproyasa
26/11/2010 O propietario deberá responder no xulgado por ter agredido ao afectado e ameazado de morte ao secretario local da CIG-Valdeorras
A empresa ourensá Rodribar Yañez S.L. vén de recoñecer no acto de conciliación a improcedencia do despedimento do traballador Joaquim Couto de Alburquerque e comprométese a indemnizalo e abonarlle os salarios que lle adebeda. O seu propietario terá que responder tamén por presentas agresións e ameazas de morte.
16/11/2010 CIG-Valdeorras denunciara no xulgado a decisión da compañía, que agora terá que readmitilo ou indemnizalo
O Xulgado do Social Número 2 de Ourense declarou improcedente o despedimento dun empregado da empresa de construción Barproyasa do Barco de Valdeorras despois de que a CIG levase a decisión aos tribunais. A sentenza, que poderá ser recorrida diante do Tribunal Superior de Xustiza de Galiza, obriga os propietarios da compañía a readmitir ou indemnizar ao traballador, así como a abonarlle os salarios que deixou de percibir dende a data do despedimento, o pasado 12 de agosto.
Engadir ao calendario
cig.prensa@galizacig.com