Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
 
Artigos de opinión
Entrevista com Noam Chomsky: “Há uma resistência muito significativa contra o assalto neoliberal”
03/03/2015Miguel Mora
A Europa é hoje uma das maiores vítimas dessas políticas económicas de loucos, que somam austeridade à recessão. Até o FMI diz que já não f...
Tentativa golpista contra Venezuela
03/03/2015Ignacio Ramonet
Esta vez, o golpe íase a executar en catro fases. A primeira comezou a principios do mes de xaneiro de 2015, cando o presidente Maduro realizaba un...
Acerca de negociações: lições do caso Syriza
02/03/2015Vaz de Carvalho
A UE tem os povos presos nas grilhetas do endividamento e do euro. Esta situação só será alterada pela resistência popular. O caso grego mostro...
Venezuela: Estados Unidos acelera o golpe
27/02/2015Ángel Guerra Cabrera
O golpismo intensificouse sobre todo a partir da elección do presidente Maduro en abril de 2013. Washington e as oligarquías decidiron botar toda ...
A goleada sofrida pelo Syriza nas negociações da UE
27/02/2015Richard Seymour
As classes dominantes da UE também “ganharam tempo”, e elas dispõem dos recursos e estão ao ataque, enquanto o Syriza recuou. Não há motivo...
Grécia: os próximos quatro meses
27/02/2015Michael Roberts
Syriza, uma via para o poder do povo?
26/02/2015Éric Toussaint
Ucrânia, um ano depois do golpe
26/02/2015Luís Carapinha
mundo árabe
30/5/2011 José Goulão // Esquerda
A “Primavera Árabe” está na agenda do G8, encarada numa perspectiva de evitar que os regimes em formação optem por modelos económicos que não sejam compatíveis com a “economia de mercado” tal como é entendida pelos membros do G8.  Os chefes de Estado e de governos dos oito países mais poderosos do mundo – G8 – e que concentram três quartos das despesas militares planet...
20110505_al.qaida.jpg
Non sabemos se realmente mataron a Bin Laden; o que está claro é que o esforzo por resucitar custe o que custe a Al-Qaida pretende matar os procesos de cambio comezados hai catro meses no mundo árabe.  Unha das grandes sorpresas que depararan os levantamentos populares no mundo árabe é que deixaran momentaneamente fóra de xogo a todas as forzas islamitas e moi especialmente, abofé, á...
13/4/2011 Juan Gelman // Página 12
A oposición a Khadafi está pasando malos momentos a pesar dos bombardeos. Pola súa banda, a Casa Branca e a OTAN non están libres de preocupacións: descubriuse que nas fileiras rebeldes hai elementos de Al Qaida.  Así o admitiu o almirante James Stavridis, xefe das operacións conxuntas en Libia, aínda que subliñou que “a dirección está integrada por xente responsábel” (//was...
As mudanças políticas no mundo árabe vão, lentamente, perdendo seu caráter regional. A “revolta árabe” (no singular) que denota uma causa comum tende a se tornar cada vez mais plural. Em todos os países, homens e mulheres de todas as idades, classes, regiões, crenças e profissões tomaram as ruas para responsabilizar seus governantes invocando justiça, liberdade e democracia. Mas nã...
20110411_libia.petroleo.guerra.jpg
A primavera árabe ten raíces profundas. A rexión estivo en fermentación durante moitos anos. A primeira da vaga actual de protestas empezou o ano pasado no Sahara Occidental, a última colonia africana, invadida por Marrocos en 1975 e retida ilegalmente desde aquela, de xeito similar a Timor Oriental e os territorios ocupados por Israel. O mes pasado, no tribunal internacional sobre crimes du...
Ainda esse ano, haverá eleições na Tunísia e no Egito. Essa é mudança tremenda no mundo árabe. Eleições não resolvem todos os problemas, mas marcam novos parâmetros. Outros terão de ser conquistados. Novas formas de participação, novos espaços para participação, novos sonhos democráticos que acabarão por enterrar, de vez, os restos rançosos do neoliberalismo. Nem todas as trans...
20110408_Libia-protesta.contra.guerra.jpg
Nas últimas duas semanas a Líbia sofreu o mais brutal ataque imperialista, por ar, por mar e por terra, da sua história moderna. Milhares de bombas e de mísseis, lançados de submarinos, vasos de guerra e aviões de guerra, americanos e europeus, estão a destruir as bases militares líbias, os seus aeroportos, estradas, portos, depósitos petrolíferos, posições de artilharia, tanques, port...
Engadir ao calendario
cig.prensa@galizacig.com