Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
 
Artigos de opinión
UE/Euro: Prisão de povos
17/07/2015Jorge Cadima
Os acontecimentos dos últimos dias são portadores de importantíssimos ensinamentos sobre a verdadeira natureza da dominação de classe, do imper...
A operação em curso – nome de código: Grécia
10/07/2015Vaz de Carvalho
Contrariamente às ilusões europeístas o sistema é incapaz de resolver os problemas provocados pela financeirização da economia a favor do rent...
Aprofundamento da União Económica e Monetária Europeia – ensaio sobre a cegueira
10/07/2015Miguel Viegas
Em traços gerais, este relatório dos cinco presidentes aponta para o reforço dos pilares neoliberal e federalista da UE. Podando o discurso dos h...
Grécia – a força do povo
10/07/2015Ângelo Alves
O povo grego emitiu uma opinião muito «simples» e clara. Quer mandar no seu próprio devir colectivo. Entende que o seu país é o seu povo e nã...
Uma guerra de classe
10/07/2015Filipe Diniz
A UE conduz uma guerra. Descrever essa guerra como uma guerra que opõe países ricos e países pobres não ajuda a entender a sua natureza. É uma ...
O caldeirão grego
03/07/2015Luís Carapinha
Ucrânia, o fascismo galopante
25/06/2015Raúl Antonio Capote
O contra-senso comum
25/06/2015Boaventura de Sousa Santos
mundo árabe
10/4/2015 Jorge Cadima // Avante
Mais um país árabe está a ser destruído. O Iémen, um dos países mais pobres, é vítima das bombas da Arábia Saudita e outros países árabes do Golfo – dos mais ricos do planeta.  A responsável pelos assuntos humanitários da ONU diz que «pelos menos 519 pessoas foram mortas e quase 1700 feridas nas duas últimas semanas, e mais de 90 por cento das vítimas são crianças» (Deu...
30/5/2011 José Goulão // Esquerda
A “Primavera Árabe” está na agenda do G8, encarada numa perspectiva de evitar que os regimes em formação optem por modelos económicos que não sejam compatíveis com a “economia de mercado” tal como é entendida pelos membros do G8.  Os chefes de Estado e de governos dos oito países mais poderosos do mundo – G8 – e que concentram três quartos das despesas militares planet...
20110505_al.qaida.jpg
Non sabemos se realmente mataron a Bin Laden; o que está claro é que o esforzo por resucitar custe o que custe a Al-Qaida pretende matar os procesos de cambio comezados hai catro meses no mundo árabe.  Unha das grandes sorpresas que depararan os levantamentos populares no mundo árabe é que deixaran momentaneamente fóra de xogo a todas as forzas islamitas e moi especialmente, abofé, á...
13/4/2011 Juan Gelman // Página 12
A oposición a Khadafi está pasando malos momentos a pesar dos bombardeos. Pola súa banda, a Casa Branca e a OTAN non están libres de preocupacións: descubriuse que nas fileiras rebeldes hai elementos de Al Qaida.  Así o admitiu o almirante James Stavridis, xefe das operacións conxuntas en Libia, aínda que subliñou que “a dirección está integrada por xente responsábel” (//was...
As mudanças políticas no mundo árabe vão, lentamente, perdendo seu caráter regional. A “revolta árabe” (no singular) que denota uma causa comum tende a se tornar cada vez mais plural. Em todos os países, homens e mulheres de todas as idades, classes, regiões, crenças e profissões tomaram as ruas para responsabilizar seus governantes invocando justiça, liberdade e democracia. Mas nã...
20110411_libia.petroleo.guerra.jpg
A primavera árabe ten raíces profundas. A rexión estivo en fermentación durante moitos anos. A primeira da vaga actual de protestas empezou o ano pasado no Sahara Occidental, a última colonia africana, invadida por Marrocos en 1975 e retida ilegalmente desde aquela, de xeito similar a Timor Oriental e os territorios ocupados por Israel. O mes pasado, no tribunal internacional sobre crimes du...
Ainda esse ano, haverá eleições na Tunísia e no Egito. Essa é mudança tremenda no mundo árabe. Eleições não resolvem todos os problemas, mas marcam novos parâmetros. Outros terão de ser conquistados. Novas formas de participação, novos espaços para participação, novos sonhos democráticos que acabarão por enterrar, de vez, os restos rançosos do neoliberalismo. Nem todas as trans...
Engadir ao calendario
cig.prensa@galizacig.com