Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
 
Artigos de opinión
Syriza, uma via para o poder do povo?
26/02/2015Éric Toussaint
A experiência demonstra que os movimentos de esquerda podem chegar ao governo mas não chegam a conquistar o poder. A democracia ou seja o exercíc...
Ucrânia, um ano depois do golpe
26/02/2015Luís Carapinha
A vida tornou-se hoje infinitamente mais difícil para a esmagadora maioria dos ucranianos, um ano após a consumação do golpe de Estado de 21-22 ...
O TTIP ou como lles venderes a alma ao demo
24/02/2015Ekaitz Cancela
O novo Tratado de Libre Comercio será un novo éxito para afianzar o sistema establecido. Un logro das multinacionais, que lonxe de se conformaren ...
TTIP: a maracutaia geopolítica dos EUA para avassalar a União Europeia
24/02/2015Achille Lollo
A “excelência” do capitalismo mundial pretende nos obrigar a conviver com o rebaixamento dos padrões de qualidade, mesmo se isso implica mais ...
Cuba/EUA: que mudanças?
24/02/2015Rémy Herrera
Aquelas e aqueles que mais uma vez imaginavam a revolução cubana derrotada deverão ainda esperar; e reflectir no facto de que o mundo está em vi...
Grécia: Claudicar ou romper
19/02/2015João Ferreira
Ucrânia: Raízes da guerra
19/02/2015Albano Nunes
muller embarazada
20/4/2012 Integra a medida nun Plan de apoio á muller “embarazada” á que se lle nega o dereito a ir ao especialista para facer a revisión postparto
Susana López Abella anunciou onte na Comisión de Sanidade do Parlamento, na que compareceu para respostar a unha pregunta do Grupo Parlamentario Popular, que “as crianzas non nacidas” contarán como membros da unidade familiar á hora de pedir axudas á Xunta, co fin de determinar o tipo e contido das prestacións públicas que lles corresponden. A medida está encadrada no Plan integral de apoio á muller embarazada 2012-2014, aprobado o pasado mes de xaneiro polo Consello da Xunta.
Engadir ao calendario
cig.prensa@galizacig.com